DOENÇAS DO AR

AS CAUSAS PELA FALTA DE MANUTENÇÃO AR CONDICIONADO

 

 

           As altas temperaturas vem castigando muita gente não só nas ruas, mas também em ambientes fechados, que necessitam do ar condicionado. Antes considerado artigo de luxo, agora o aparelho é uma necessidade e item obrigatório em muitas cidades brasileiras .

           Sem uma boa limpeza, ele se torna um importante transmissor de alguns males. "As paredes dos tubos do ar condicionado parecem cavernas com alta concentração de ácaros, bactérias, fungos, vírus e transmissores de doenças.

           A falta de cuidados de limpeza pode acarretar ou mesmo agravar doenças pré-existentes como conjuntivites, problemas respiratórios como bronquite e rinite, e uma série de outras reações alérgicas .Uma delas é a bronquite asmática batizada pelos especialistas de "asma do ar condicionado".

           Ao contrário do que muita gente imagina, a relação do ar condicionado com doenças respiratórias não acontece pelo simples fato de baixar a temperatura do ambiente. "O ar quente exerce o mesmo efeito.        

O problema é que o ar condicionado desidrata o ar e resseca o muco

Ministério da Saúde e Anvisa têm normas rígidas

           O primeiro conjunto de regras voltado para garantir a qualidade do ar em ambientes climatizados foi a Portaria 3.523/98, do Ministério da Saúde, que estabelece uma rotina de procedimentos de limpeza em sistemas de refrigeração de grande porte. A orientação é para que empresas e condomínios contratem técnicos ou um estabelecimento especializado para realizar limpezas periódicas.

           Em outubro de 2000, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou a Resolução 176/00, definindo padrões referenciais de qualidade do ar interior em ambientes climatizados de uso público e coletivo e os procedimentos a serem utilizados pelas vigilâncias sanitárias no que compete à fiscalização da qualidade do ar.

           Em janeiro de 2003, a Anvisa revisou e atualizou o documento – sob a denominação de Resolução 9/03, contando com a ajuda de técnicos das mesmas instituições.
          

           A norma estabelece que proprietários, locatários e administradores de imóveis climatizados por sistemas acima de 60.000 BTU/H (Unidade Térmica Britânica por hora, medida utilizada para definir a capacidade térmica de um equipamento, que aumenta em ordem diretamente proporcional ao tamanho do ambiente e ao número de pessoas que estão presentes; neste caso equivale à refrigeração de um ambiente de mais de 100m²) são responsáveis pela qualidade do ar respirado por seus ocupantes.

           Se a fiscalização feita pelos técnicos da vigilância sanitária constatar que os limites de tolerância da poluição em ambientes refrigerados foram ultrapassados, os responsáveis poderão ser penalizados com multas que variam de R$ 2 mil a R$ 200 mil.

espirro.jpg

DOENÇAS

 

· O ar frio paralisa os cílios (pêlos) que revestem as paredes do sistema respiratório e são encarregados de jogar para fora as impurezas que entram junto com o ar que respiramos. Assim, fungos, mofo, bactérias, vírus e ácaros permanecem no organismo livres para provocar doenças respiratórias de natureza alérgica.

 

· As doenças do aparelho respiratório são sinusite, rinite, otite, amigdalite, faringite, bronquite, pneumonia, asma, gripes e resfriados. Gripes, por exemplo, abaixam as defesas e favorecem infecções mais sérias, como pneumonia.

A Manutenção no aparelho de Ar Condicionado não remove somente os contaminantes microscópicos e poeiras, mas também os ácaros, pólen e pêlos de animais domésticos prevenindo assim doenças alérgicas como a asma.

Otite



Inflamação dos canais do ouvido, podendo ser externa e média(atrás dos tímpanos, que ficam cheios de pus)

Sinusite



Inflamação dos seios da face, chamados para-nasais(próximos do nariz)

Amigdalite



Inflamação das amígdalas, provocando dor, inchaço e pus

Renite



Inflamação dos sistemas internos do nariz